Proactive application health checkup – App Services

Hoje me deparei com uma artigo no site microsoft anunciando um recurso, um recurso que a maioria dos objetos e produtos no Azure possuí em sua guia (blade) de configurações e opções, conhecida como Diagnose and solve problems. Em alguns casos como um VPN Gateway ou a Connection criada, neste recurso conseguimos visualizar o Health check deste recurso, que lhe dá uma visão da saúde.

Não seria diferente para um App Services, sendo anunciado no dia 15 de novembro, recente, o general availability of App Service diagnostics, conta com um diagnóstico do Azure App Service, aonde pode executar análise de saúde pro ativamente em relação a métricas comuns de aplicação Web, tendo uma visão geral , identificando request, desempenho, uso CPU%, Memória%, etc.

Esta dividido em categoria Web App Down, Web App Slow, High CPU Usage, High Memory Usage e Web App Restarted.

metrica webapp

Disponibilidade, Requests e Performance

avav1

Alta Utilização de CPU, Request e Performance

av3av4

No lado direiro temos algumas outras opções, recursos e documentação.

s

Uma que gostei foi a Live Http Traffic:

li

Vídeo bem interessante ->

 

Referência e documentação ->

https://docs.microsoft.com/en-us/azure/app-service/app-service-diagnostics

https://azure.microsoft.com/en-us/blog/announcing-the-general-availability-of-azure-app-service-diagnostics/

Até a próxima galera…

 

 

Anúncios

Azure SQL Database e DTU

SQL Database é um banco de dados em plataforma (PaaS), aonde não temos necessidade de gerenciar sua infra-estrutura. Não pagamos por software, pagamos pelo serviço, por isso do termos as-a-service. Ganhamos com isso uma plataforma robusta, se livrando de gastos com hardware e software, claro que também ganhando outros recursos com mais facilidade de gerenciamento do que normalmente em um ambiente on-premises e melhores recursos para gerência do seu banco.

sql database

DTU

O banco de dados sql no Azure tem um nível de desempenho específico na camada de serviço que contratou. Essa quantidade de recursos é calculada como um número de unidades de transação do banco de dados ou DTUs e é uma medida combinada de CPU, memória, E/S (E/S de dados e log de transações).

bounding-box

Você pode alterar os níveis a qualquer momento com tempo de inatividade mínimo para seu aplicativo (tempo médio de quatro segundos)

single_db_dtus

Price

Como escolher uma camada de serviço

Básico Standard Premium Premium RS
Carga de trabalho de destino Desenvolvimento e produção Desenvolvimento e produção Desenvolvimento e produção Carga de trabalho que pode tolerar perda de dados por até 5 minutos devido a falhas de serviço
SLA de tempo de atividade 99,99% 99,99% 99,99% N/d enquanto estiver em versão prévia
Retenção de backup 7 dias 35 dias 35 dias 35 dias
CPU Baixo Baixo, Médio, Alto Médio, Alto Média
Taxa de transferência de E/S Baixo Média Ordem de magnitude maior do que o Standard Mesmo que o Premium
Latência de E/S Maior do que o Premium Maior do que o Premium Menor do que o Básico e Standard Mesmo que o Premium
Indexação de ColumnStore e OLTP in-memory N/D N/D Suportado Suportado

Limites de tamanho de armazenamento e nível de desempenho

Bancos de dados únicos

Básico Standard Premium Premium RS
Tamanho máximo de armazenamento* 2 GB 1 TB 4 TB 1 TB
Máximo de DTUs 5 3000 4000 1000

Pools elásticos

Básico Standard Premium Premium RS
Tamanho máximo de armazenamento por banco de dados* 2 GB 1 TB 1 TB 1 TB
Tamanho máximo de armazenamento por pool* 156 GB 4 TB 4 TB 1 TB
Máximo de eDTUs por banco de dados 5 3000 4000 1000
Máximo de eDTUs por pool 1600 3000 4000 1000
Número máximo de bancos de dados por pool 500 500 100 100

Para uma gerência do SQL Database, temos o SQL Server (Servidor Lógico do SQL Azure), aonde atua como um ponto administrativo central para vários banco de dados, tendo gerência de pools elásticos, regras de firewall, regras de auditoria.

Recursos no Azure, Blade SQL Database ->

Recursos

Próximo artigo: Como criar um SQL Database

Referência:

https://docs.microsoft.com/en-us/azure/sql-database/sql-database-get-started-portal

https://docs.microsoft.com/pt-br/azure/sql-database/sql-database-what-is-a-dtu

Public preview: Azure Availability Zones

Os Availability Zones do Azure já estão disponíveis para visualização em duas regiões, US East 2 e Europa Ocidental. A lista atual de regiões e serviços habilitados está disponível na página de documentação no link abaixo.

As zonas de disponibilidade são locais isolados de falhas dentro de uma região Azure, projetada com energia independente, refrigeração e rede. Eles ajudam a proteger seus aplicativos de missão crítica de falhas de datacenters inteiros com baixa latência e alta disponibilidade.

az-graphic-two

Oferece um SLA de VM de uma única instância de 99,9% em VMs suportados pelo Azure Premium Storage, e um SLA de 99,95% para availability sets.

Documentação: https://docs.microsoft.com/en-us/azure/availability-zones/az-overview

 

 

Alterar Availability Set de uma VM Windows

Uma VM só pode ser adicionada a um availability set quando criado. Para alterar o availability set, você precisa excluir e recriar a máquina virtual.

Para tal segue um script powershell para lhe ajudar com isso:

Para disco gerenciável, temos:

Login-AzureRmAccount

Select-AzureRmSubscription –SubscriptionId xxxxxxx

#set variables
 $rg = "Nome Resource Group"
 $vmName = "Name VM"
 $newAvailSetName = "Availability SET"
 $outFile = "C:\temp\outfile.txt"

#Get VM Details
 $OriginalVM = get-azurermvm -ResourceGroupName $rg -Name $vmName

#Output VM details to file
 "VM Name: " | Out-File -FilePath $outFile 
 $OriginalVM.Name | Out-File -FilePath $outFile -Append

"Extensions: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.Extensions | Out-File -FilePath $outFile -Append

"VMSize: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.HardwareProfile.VmSize | Out-File -FilePath $outFile -Append

"NIC: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.NetworkProfile.NetworkInterfaces[0].Id | Out-File -FilePath $outFile -Append

"OSType: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.OsType | Out-File -FilePath $outFile -Append

"OS Disk: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.Name | Out-File -FilePath $outFile -Append

$diskOS=Get-AzureRmDisk | Where-Object {$_.name -eq $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.Name}

if ($OriginalVM.StorageProfile.DataDisks) {
 "Data Disk(s): " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.DataDisks | Out-File -FilePath $outFile -Append
 }

#Remove the original VM
 Remove-AzureRmVM -ResourceGroupName $rg -Name $vmName

#Create new availability set if it does not exist
 $availSet = Get-AzureRmAvailabilitySet -ResourceGroupName $rg -Name $newAvailSetName -ErrorAction Ignore
 if (-Not $availSet) {
 $availset = New-AzureRmAvailabilitySet -ResourceGroupName $rg -Name $newAvailSetName -Location $OriginalVM.Location
 }

#Create the basic configuration for the replacement VM
 $newVM = New-AzureRmVMConfig -VMName $OriginalVM.Name -VMSize $OriginalVM.HardwareProfile.VmSize -AvailabilitySetId $availSet.Id
 Set-AzureRmVMOSDisk -VM $NewVM -ManagedDiskId $diskOS.Id -Name $diskOS.Name -CreateOption Attach -Windows




#Add Data Disks
 foreach ($disk in $OriginalVM.StorageProfile.DataDisks ) { 
 $diskdata = Get-AzureRmDisk | Where-Object {$_.name -eq $OriginalVM.StorageProfile.DataDisks.Name}
 Add-AzureRmVMDataDisk -VM $newVM -Name $disk.Name -ManagedDiskId $diskdata.Id -Caching $disk.Caching -Lun $disk.Lun -CreateOption Attach -DiskSizeInGB $disk.DiskSizeGB
 }

#Add NIC(s)
 foreach ($nic in $OriginalVM.NetworkProfile.NetworkInterfaces) {
 Add-AzureRmVMNetworkInterface -VM $NewVM -Id $nic.Id
 }

#Create the VM
 New-AzureRmVM -ResourceGroupName $rg -Location $OriginalVM.Location -VM $NewVM -DisableBginfoExtension

Para discos não gerenciáveis, temos o abaixo:

#set variables
 $rg = "demo-resource-group"
 $vmName = "demo-vm"
 $newAvailSetName = "demo-as"
 $outFile = "C:\temp\outfile.txt"

#Get VM Details
 $OriginalVM = get-azurermvm -ResourceGroupName $rg -Name $vmName

#Output VM details to file
 "VM Name: " | Out-File -FilePath $outFile 
 $OriginalVM.Name | Out-File -FilePath $outFile -Append

"Extensions: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.Extensions | Out-File -FilePath $outFile -Append

"VMSize: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.HardwareProfile.VmSize | Out-File -FilePath $outFile -Append

"NIC: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.NetworkProfile.NetworkInterfaces[0].Id | Out-File -FilePath $outFile -Append

"OSType: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.OsType | Out-File -FilePath $outFile -Append

"OS Disk: " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.Vhd.Uri | Out-File -FilePath $outFile -Append

if ($OriginalVM.StorageProfile.DataDisks) {
 "Data Disk(s): " | Out-File -FilePath $outFile -Append
 $OriginalVM.StorageProfile.DataDisks | Out-File -FilePath $outFile -Append
 }

#Remove the original VM
 Remove-AzureRmVM -ResourceGroupName $rg -Name $vmName

#Create new availability set if it does not exist
 $availSet = Get-AzureRmAvailabilitySet -ResourceGroupName $rg -Name $newAvailSetName -ErrorAction Ignore
 if (-Not $availSet) {
 $availset = New-AzureRmAvailabilitySet -ResourceGroupName $rg -Name $newAvailSetName -Location $OriginalVM.Location
 }

#Create the basic configuration for the replacement VM
 $newVM = New-AzureRmVMConfig -VMName $OriginalVM.Name -VMSize $OriginalVM.HardwareProfile.VmSize -AvailabilitySetId $availSet.Id
 Set-AzureRmVMOSDisk -VM $NewVM -VhdUri $OriginalVM.StorageProfile.OsDisk.Vhd.Uri -Name $OriginalVM.Name -CreateOption Attach -Windows

#Add Data Disks
 foreach ($disk in $OriginalVM.StorageProfile.DataDisks ) { 
 Add-AzureRmVMDataDisk -VM $newVM -Name $disk.Name -VhdUri $disk.Vhd.Uri -Caching $disk.Caching -Lun $disk.Lun -CreateOption Attach -DiskSizeInGB $disk.DiskSizeGB
 }

#Add NIC(s)
 foreach ($nic in $OriginalVM.NetworkProfile.NetworkInterfaces) {
 Add-AzureRmVMNetworkInterface -VM $NewVM -Id $nic.Id
 }

#Create the VM
 New-AzureRmVM -ResourceGroupName $rg -Location $OriginalVM.Location -VM $NewVM -DisableBginfoExtension

Obrigado e até a próxima…

 

Criando Virtual Network no Azure Iaas

Uma das estruturas quando criamos um ambiente no Azure e quando utilizamos Iaas são as redes, aonde devem ser antes de
tudo planejadas, arquitetadas acima de tuda e subnetadas se necessário. Uma rede e suas subredes são importantes para criamos e comunicação
das Virtual Machines e também quando falamos em VPN e Express Route.

download

Nes post vou mostar como criar um Virtual Network no Azure.

Passos para criação

Uma vez com acesso ao Portal Azure, clique em + e digite na pesquisa Virtual Network.

vn

Clicando em Create, mantendo selecionado Resource Manager.

VVV

Nas opções temos, nome da sua Virtual Network, o campo Address Space que é o endereçamento da sua rede como um todo, qual endereçamento representa a rede, no exemplo colocamos /24, posteriormente em subnet dividimos em /25, pela metade, então criamos uma vnet como /24 e dentro da mesma um subrede com /25.

Vimos aqui nome da sua subrede, o range da mesma, temos também escolha da Assinatura (Subscription), caso tenha acesso mais de uma, pode selecionar aonde deseja criar sua VNET (Virtual Network), escolha também se deseja criar um novo Resource Group ou criar dentro de um existente, vai depender de como deseja desenhar e criar sua solução. Não poderia deixar de falar da localidade, outra escolha importante.

Pronto, clicando em Create, terá sua vnet (Virtual Network) criada.

vna

Uma vez a rede criada, temos algumas configurações importantes e de conhecimento:

vna1.JPG

Hoje falaremos também da configuração DNS Servers. O Azure fornece o DNS, uma vez que você cria suas máquinas Virtuais (Virtual Machine), você associa a uma VNET e SUBNET anteriormente criada ou pode criar tudo no momento da criação da VM. Eu recomendo arquitetar seu ambiente antes, criar tudo e no modelo ARM , com seus Resources Groups, VNET, SUBNET, Availability Set e NSG e depois criar sua VM. Mais isso é assunto de outro post. No caso aqui como falei se não configuramos nenhum DNS o próprio Azure irá fornecer para a VM, mais vamos dizer que você queira criar seu próprio DNS no Azure, no caso um AD/DNS Server e queria que ele seja o servidor DNS da sua VNET (Virtual Network) criada.

Neste caso, basta ir na opção DNS Servers ->

dns.JPG

No caso, basta clicar em custom e digitar o endereço IP do seu serviço ou servidor de DNS.

Pronto, vimos como criar Virtual Network.

Obrigado..

Prover um virtual array no hypervisor (hyper-V)

Execute as seguintes etapas para fornecer um dispositivo no seu hypervisor.

Para provisionar uma matriz virtual

No host do Windows Server, copie a imagem da matriz virtual para uma unidade local. Você baixou esta imagem (VHD ou VHDX) através do portal Azure. Anote o local onde você copiou a imagem conforme você está usando esta imagem mais tarde no procedimento.

Abra o Gerenciador de Servidores . No canto superior direito, clique em Ferramentas e selecione Gerenciador Hyper-V.      

                     

Se você estiver executando o Windows Server 2008 R2, abra o Gerenciador do Hyper-V. No Gerenciador de servidores, clique em Funções> Hyper-V> Gerenciador Hyper-V.

No Gerenciador Hyper-V , no painel de escopo, clique com o botão direito do mouse no nó do sistema para abrir o menu de contexto e clique em Novo > Máquina virtual .

Na página Antes de começar a página do Assistente da Nova Máquina Virtual, clique em Avançar .

Na página Especificar nome e localização , forneça um Nome para sua matriz virtual. Clique em Avançar .

Na página Especificar geração , escolha o tipo de imagem do dispositivo e clique em Avançar . Esta página não aparece se você estiver usando o Windows Server 2008 R2.

  • Escolha Geração 2 se você baixou uma imagem .vhdx para o Windows Server 2012 ou posterior.
  • Escolha Geração 1 se você baixou uma imagem .vhd para Windows Server 2008 R2 ou posterior.

Na página Atribuir memória , especifique uma memória de Inicialização de pelo menos 8192 MB , não ative a memória dinâmica e clique em Avançar .

Na página Configurar rede , especifique o switch virtual que está conectado à Internet e clique em Avançar .

Na página Conectar disco rígido virtual , escolha Usar um disco rígido virtual existente , especifique o local da imagem da matriz virtual (.vhdx ou .vhd) e, em seguida, clique em Avançar .

Revise o resumo e clique em Concluir para criar a máquina virtual.

Para atender aos requisitos mínimos, você precisa de 4 núcleos. Para adicionar 4 processadores virtuais, selecione seu sistema host na janela do Gerenciador do Hyper-V . No painel direito, na lista de máquinas virtuais , localize a máquina virtual que você acabou de criar. Selecione e clique com o botão direito do mouse no nome da máquina e selecione Configurações .

Na página Configurações , no painel esquerdo, clique em Processador . No painel direito, configure o número de processadores virtuais para 4 (ou mais). Clique em Aplicar.

Para atender aos requisitos mínimos, você também precisa adicionar um disco de dados virtual de 500 GB. Na página Configurações :

  1. No painel esquerdo, selecione Controlador SCSI .
  2. No painel direito, selecione Disco rígido e clique em Adicionar .

Na página Disco rígido , selecione a opção Disco rígido virtual e clique em Novo . O novo Assistente de disco rígido virtual é iniciado.

Na página Antes de começar a página do Assistente de Novo disco rígido virtual, clique em Avançar .

Na página Escolher Formato de Disco , aceite a opção padrão do formato VHDX . Clique em Avançar . Esta tela não é apresentada se estiver executando o Windows Server 2008 R2.

Na página Escolher tipo de disco , defina o tipo de disco rígido virtual como expansão dinâmica (recomendado). O disco de tamanho fixo funcionaria, mas você precisará aguardar um longo período de tempo. Recomendamos que você não use a opção Diferenciar . Clique em Avançar . No Windows Server 2012 R2 e no Windows Server 2012, expandir dinamicamente é a opção padrão enquanto no Windows Server 2008 R2, o padrão é o tamanho fixo .

Na página Especificar nome e localização , forneça um nome , bem como local (você pode navegar para um) para o disco de dados. Clique em Avançar .

Na página Configurar disco , selecione a opção Criar um novo disco rígido virtual em branco e especifique o tamanho como 500 GB (ou mais). Enquanto 500 GB é o requisito mínimo, você sempre pode fornecer um disco maior. Observe que você não pode expandir ou encolher o disco uma vez provisionado. Para obter mais informações sobre o tamanho do disco a ser fornecido, reveja a seção de dimensionamento no documento de práticas recomendadas . Clique em Avançar .

Na página Resumo , reveja os detalhes do seu disco de dados virtual e, se satisfeito, clique em Concluir para criar o disco. O assistente fecha e um disco rígido virtual é adicionado à sua máquina.

Retorne à página Configurações . Clique em OK para fechar a página Configurações e retornar à janela do Gerenciador do Hyper-V.

Inicie a matriz virtual e obtenha o IP

Execute as seguintes etapas para iniciar sua matriz virtual e se conectar a ela.

Para iniciar a matriz virtual

Inicie a matriz virtual.

Depois que o dispositivo estiver em execução, selecione o dispositivo, clique com o botão direito do mouse e selecione Conectar .

Talvez você precise esperar 5-10 minutos para que o dispositivo esteja pronto. Uma mensagem de status é exibida no console para indicar o progresso. Depois que o dispositivo estiver pronto, vá para Ação . Pressione Ctrl + Alt + Deletepara iniciar sessão na matriz virtual. O usuário padrão é StorSimpleAdmin e a senha padrão é Password1.

Por motivos de segurança, a senha do administrador do dispositivo expira no primeiro logon. Você será solicitado a alterar a senha.

Digite uma senha que contenha pelo menos 8 caracteres. A senha deve satisfazer pelo menos 3 dos seguintes 4 requisitos: letras maiúsculas, minúsculas, numéricas e especiais. Volte a inserir a senha para confirmar. Você é notificado de que a senha mudou.

Depois que a senha for alterada com sucesso, a matriz virtual pode reiniciar. Aguarde até que o dispositivo comece.

O console do Windows PowerShell do dispositivo é exibido junto com uma barra de progresso.

As etapas 6-8 só se aplicam ao inicializar em um ambiente não-DHCP. Se você estiver em um ambiente DHCP, ignore estas etapas e vá para a etapa 9. Se você iniciou o seu dispositivo em ambiente não-DHCP, você verá a tela a seguir.

Em seguida, configure a rede.

Use o Get-HcsIpAddresscomando para listar as interfaces de rede ativadas em sua matriz virtual. Se o seu dispositivo tiver uma única interface de rede habilitada, o nome padrão atribuído a esta interface é Ethernet.

Use o Set-HcsIpAddresscmdlet para configurar a rede. Veja o exemplo a seguir:Set-HcsIpAddress –Name Ethernet –IpAddress 10.161.22.90 –Netmask 255.255.255.0 –Gateway 10.161.22.1

Depois que a configuração inicial for concluída e o dispositivo tiver sido inicializado, você verá o texto do banner do dispositivo. Anote o endereço IP e o URL exibido no texto do banner para gerenciar o dispositivo. Use este endereço IP para se conectar à interface do usuário da sua matriz virtual e complete a configuração local e o registro.

(Opcional) Execute esta etapa apenas se estiver implantando seu dispositivo no Government Cloud. Agora você habilitará o modo Federal de processamento de informações (FIPS) dos Estados Unidos em seu dispositivo. O padrão FIPS 140 define algoritmos criptográficos aprovados para uso pelos sistemas informáticos do governo federal dos EUA para proteção de dados sensíveis.

  1. Para ativar o modo FIPS, execute o seguinte cmdlet:Enable-HcsFIPSMode
  2. Reinicie seu dispositivo depois de ter ativado o modo FIPS para que as validações criptográficas tenham efeito.

Trouxe este artigo da documentação oficial para fácil inclusão no artigo StorSimple.

Referência oficial: https://docs.microsoft.com/en-us/azure/storsimple/storsimple-virtual-array-deploy2-provision-hyperv

Azure StorSimple Virtual Array (Hyper-V) e iSCSI Virtual.

Quando se fala em StorSimple temos algumas formas de implantação, aonde você pode ver mais na documentação StorSimple: https://docs.microsoft.com/en-us/azure/storsimple/

Trouxe aqui as principais coisas que me interessaram e tive aplicado em um ambiente de produção, no caso um Virtual Array image, Hyper-v, demais itens aqui descritos.

Vou falar sobre o que usei:

image010.png

 Microsoft Azure StorSimple usa deduplicação e compressão de dados para reduzir ainda mais os requisitos de armazenamento.

A deduplicação reduz a quantidade total de dados armazenados eliminando a redundância no conjunto de dados armazenados. À medida que a informação muda, o StorSimple ignora os dados inalterados e captura apenas as alterações. Além disso, o StorSimple reduz a quantidade de dados armazenados, identificando e removendo informações desnecessárias

 O thin provisioning é uma tecnologia de virtualização na qual o armazenamento disponível parece exceder os recursos físicos. Em vez de reservar um armazenamento suficiente com antecedência, o StorSimple usa provisionamento fino para alocar espaço suficiente para atender aos requisitos atuais. A natureza elástica do armazenamento em nuvem facilita essa abordagem porque o StorSimple pode aumentar ou diminuir o armazenamento em nuvem para atender às demandas em mudança.

 ·         Disponibilizado 2 TB como disco F:\.

·         10% dado fica local, 90% total nuvem.

·         2 TB Volume entregue, faz parte do Virtual Array.

·         O disco já está apresentado para o servidor A-SRV116.

 Melhor explicação para tirar as dúvidas de onde os dados ficam e como são acessados, lembrando que o disco é único, a visão é transparente.

Automatic storage tiering

 Virtual Array usa um novo mecanismo de hierarquização para gerenciar dados armazenados na matriz virtual e na nuvem. Existem apenas duas camadas: a matriz virtual local e o armazenamento na nuvem Azure. A matriz virtual StorSimple organiza automaticamente os dados nas camadas com base em um mapa de calor, que rastreia o uso atual, a idade e os relacionamentos com outros dados. Os dados mais ativos (mais quentes) são armazenados localmente, enquanto menos dados ativos e inativos são migrados automaticamente para a nuvem. (Todos os backups são armazenados na nuvem.) O StorSimple ajusta e reorganiza as atribuições de dados e armazenamento conforme os padrões de uso mudam. Por exemplo, algumas informações podem ficar menos ativas ao longo do tempo. À medida que se torna progressivamente menos ativo, ele é escalonado para a nuvem. Se esse mesmo dado se tornar ativo novamente, ele é dividido em camadas na matriz de armazenamento.

 Os dados para um compartilhamento ou volume em camadas específicos garantem seu próprio espaço de camada local. (Aproximadamente 10% do espaço total provisionado para esse compartilhamento ou volume). Embora isso reduza o armazenamento disponível na matriz virtual para esse compartilhamento ou volume, ele garante que o nível de um compartilhamento ou volume não será afetado pelas necessidades de tiering de outros compartilhamentos ou volumes. Assim, uma carga de trabalho muito ocupada em um compartilhamento ou volume não pode forçar todas as outras cargas de trabalho para a nuvem.

Neste post vou falar do StorSimple Virtual Array e seus passos para implantação.

Usando suas credenciais de conta Microsoft, faça logon no portal Azure neste URL: https://portal.azure.com/ .

No portal Azure, clique em + Novo > Armazenamento > Série virtual StorSimple ou direto no New ou Novo, digitando “StorSimple Virtual Device Series”, adicionando um StorSimple Device Manager.

createnewservice2.png

Seguir os passos preenchendo o nome do Recurso, do serviço criado, escolher assinatura, Resource Group, Localidade e criar uma nova Storage Account.

stor

Uma vez criado você terá a seguinte visão em seu portal e Blade:

re

Depois de ter criado com sucesso um serviço, você precisará registrar seu dispositivo StorSimple com o serviço. Para registrar seu primeiro dispositivo StorSimple, você precisará da chave de registro do serviço. Para registrar dispositivos adicionais com um serviço StorSimple existente, você precisará da chave de registro e da chave de criptografia de dados do serviço (que é gerada no primeiro dispositivo durante o registro). Para obter mais informações sobre a chave de criptografia de dados do serviço, consulte a segurança do StorSimple . Você pode obter a chave de registro acessando a lâmina Keys para seu serviço.

Para obter a chave de registro do serviço

Na lâmina do StorSimple Device Manager , vá para Gerenciamento> Chaves .

stor2

Para obter o Virtual array image, basta selecionar o StorSimple Device Manager criado no Azure, ir na opção Quick start e efetuar o download e seguir os passos para cada Hyper-V (2008 R2 ou 2012 e mais atual) ou VMware:

quick.JPG

Para este arquivo efetuado download do Hyper-V 2012 e mais atual.

Para provisionar no Hyper-V deve seguir os requisitos abaixo:

Você tem acesso a um sistema host executando o Hyper-V no Windows Server 2008 R2 ou posterior que pode ser usado para fornecer um dispositivo.

O sistema host é capaz de dedicar os seguintes recursos para fornecer sua matriz virtual:

  • Um mínimo de 4 núcleos.
  • Pelo menos 8 GB de RAM. Se você pretende configurar a matriz virtual como servidor de arquivos, 8 GB suporta menos de 2 milhões de arquivos. Você precisa de 16 GB de RAM para suportar 2 a 4 milhões de arquivos.
  • Uma interface de rede.
  • Um disco virtual de 500 GB para dados.

Para provisionar no Hyper-V seguir o seguinte artigo que peguei da documentação oficial e coloquei aqui como apoio https://unascimento.wordpress.com/2017/09/08/prover-um-virtual-array-no-hypervisor-hyper-va-matriz-virtual-no-hypervisor/

Após provisionar instalar o Appliance no Hyper-V seguindo o artigo acima, podemos seguir com os próximos passos.

Completar Setup e registrar device.

Abra navegador e acesse com o ip que configurou no Device:

https://<ip-address of network interface>

erro de certificado de segurança

Faça Login:

Página de início de sessão

 

Seguir com as configurações

  • Rede
  • Device
  • Time
  • Cloud Settings

Pagina inicial

Na configuração do Dispositivo configurei como Servidor iSCSI:

ISCSI

Você pode ou não ingressar no domínio.

Nas configurações de Cloud Settings você ira registar a chave que gerou antes no portal azure.

Registrar dispositivo

Para configurar o dispositivo como servidor iSCSI, basta ir no Portal AZure em StorSimple Device Manager, selecionar o dispositivo com Status “Ready do set up”, clicar no mesmo e na blade do Device, clicar em Configure.

Na Blade Configure deve habilitar criptografia, escolher uma chave:

Configurar o dispositivo como servidor iSCSI

Após isso, o Device fica online e pode criar o volume iSCSI:

Configurar o dispositivo como servidor iSCSI

Uma vez que configurou o Device acima, podemos já adicionar  um volume.

Adicionar Volume

Na lâmina Dispositivos , selecione o dispositivo que você acabou de configurar como servidor iSCSI. Clique … (alternativamente, clique com o botão direito do mouse nesta linha) e, no menu de contexto, selecione Adicionar volume . Você também pode clicar em + Adicionar volume na barra de comando. Isso abre a barra de volume Adicionar .

volume

Como em nosso exemplo estamos adicionando um volume em camadas, neste caso usando 10% do espaço local e 90% do volume completo (Array)

Neste modelo temos o Tired

Um volume em camadas (Tired) deve estar entre 500 GB e 5 TB e um volume fixado localmente deve estar entre 50 GB e 500 GB.

Um volume fixado localmente é provisionado grosso modo e garante que os dados primários no volume permaneçam no dispositivo e não se espalhem para a nuvem.
Um volume em camadas, por outro lado, está provisionado. Quando você cria um volume em camadas, aproximadamente 10% do espaço é provisionado na camada local e 90% do espaço está provisionado na nuvem. Por exemplo, se você provisionasse um volume de 1 TB, 100 GB residiriam no espaço local e 900 GB seriam usados na nuvem quando os níveis de dados. Isso, por sua vez, implica que, se você ficar sem o espaço local no dispositivo, não pode provisionar um compartilhamento diferenciado (porque os 10% não estarão disponíveis).

Neste exemplo criamos um Volume de 2 TB total, sendo 200 GB local ficando da seguinte forma:

volumes1

Para anexar este disco no servidor, basta conectar no servidor que deseja anexar este disco, habilitar o iSCSI Initiator, pegar o iqn do servidor e cadastrar no Connected Hosts:

acr

Após cadastrar o servidor, adicionando o ACR, com nome do servidor e IQN.

Você pode criar um device e vários volumes, aonde pode conectar o Servidor cadastrado (ACR) à um volume ou outro. Pode desconectar ou configurar este volume para outro servidor.

No caso do volume que criamos de 2 TB, conectamos o servidor que cadastramos, para isso você basta clicar no volume e irá ver as opções:

1

 

Quando terminar de configurar o seu volume, clique em OK . Um volume será criado com as configurações especificadas e você verá uma notificação. Por padrão, o monitoramento e o backup serão ativados para o volume.

Uma vez criado o volume, deve perguntar como anexar este volume criado ao servidor, para isso é super simples.

Passos
Abra o aplicativo iSCSI iniciador no servidor apropriado.
Na janela Propriedades do iniciador iSCSI , na guia Descoberta , clique em Discover Portal .

Na caixa de diálogo Discover Target Portal , forneça o endereço IP da sua solução StorSimple que instalou recente, neste caso no Hyper-V e clique em ok.

Na guia alvo (target) irá ver o volume que associou ao ACR cadastrado, basta clicar em Connect, após isso o Status do volume que apareceu vai aparecer como Conectado.

No host do Windows, pressione a tecla do logotipo do Windows + X e, em seguida, clique em Executar .
Na caixa de diálogo Executar , digite Compmgmt.msc, ir em Storage, opção Disk Management.

 

 

Na janela Gerenciamento de disco (Disk Management) , os volumes montados aparecerão como mostrado na ilustração a seguir. Clique com o botão direito do mouse no volume descoberto (clique no nome do disco) e, em seguida, clique em Online.

image26.png

Clique com o botão direito do mouse e selecione Inicializar disco .

Na caixa de diálogo, selecione o (s) disco (s) para inicializar e clique em OK .

O assistente Novo volume simples é iniciado. Selecione um tamanho de disco e clique em Avançar .

Atribua uma letra de unidade ao volume e clique em Avançar .

Digite os parâmetros para formatar o volume. No Windows Server, somente NTFS é suportado. Defina o tamanho da unidade de alocação para 64K. Forneça um rótulo para o seu volume. É uma prática recomendada recomendada para este nome ser idêntico ao nome do volume fornecido no seu Array Virtual do StorSimple. Clique em Avançar .

Verifique os valores do seu volume e clique em Concluir .

Pronto, o volume que você criou antes no Azure, conectou ao servidor (ACR), está entregue ao servidor.

O principal agora é saber que no Portal Azure ao selecionar o StorSimple Device Manager, tem nas configurações a opção Backup Catalog, lá irá encontrar o backup agendando a cada dia e horário.

Espero ter explicado de forma simples e objetiva como criar um StorSimple Device Manager, criar seu volume e apresentar ao servidor.

Este post usei algumas coisas da documentação oficial e também um pouco do meu ambiente criado.

Obrigado.